terça-feira, 30 de junho de 2015

Glossário Ambiental


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box






domingo, 28 de junho de 2015

Carta Escrita no Ano 2070


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



quarta-feira, 24 de junho de 2015

Manual de Avaliação de Impacte Ambiental na vertente de Protecção Civil


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


segunda-feira, 22 de junho de 2015

sábado, 20 de junho de 2015

Ficha informativa sobre Energias Renováveis e Energias Não Renováveis:


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


quinta-feira, 18 de junho de 2015

Manual sobre Alterações Climática - Registos nas Rochas


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

terça-feira, 16 de junho de 2015

Manual sobre estratégias de controlo da poluição química


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


domingo, 14 de junho de 2015

Manual sobre a Importância da Água em Saúde Pública


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Powerpoint sobre o uso sustentável da água


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Protocolo sobre a Profundidade do Campo do Microscópio



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

terça-feira, 9 de junho de 2015

Protocolo sobre Células - Organização Biológica


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


A Agricultura Biológica favorece a Biodiversidade


A agricultura biológica favorece a biodiversidade, indica um estudo recentemente publicado na revista Proceedings of the Royal Society of London B-Biological Sciences. De acordo com a investigação os campos deste tipo de agricultura têm uma maior diversidade de ervas daninhas tal como os campos de agricultura convencionais nas suas imediações o que, por sua vez, atrai espécies de animais, noticia a BBC.

O estudo levado a cabo por investigadores do Centro de Estudos Biológicos de Chizé (Universidade de La Rochelle), em França, tinha como objetivo determinar os efeitos da agricultura biológica tanto localmente como à escala da paisagem.

Para tal, Laura Henckel e os colegas usaram como caso de estudo a comunidade de ervas silvestres não cultivadas, tendo quantificando a sua diversidade no centro e nas margens de campos de trigo de inverno da região de Poitou-Charentes (centro-oeste de França) em regime de agricultura convencional e de agricultura biológica.

Os resultados revelaram, como era esperado, que a riqueza específica de ervas silvestres era maior nos campos de agricultura biológica em relação aos de agricultura convencional (cerca do dobro, no centro dos campos e cerca de 30% nas margens) e maior nas margens do que no centro dos campos, verificando-se ainda que esta diferença era mais acentuada no caso da agricultura convencional.

Por outro lado, verificou-se que a mera existência de campos de agricultura biológica nas imediações de áreas cultivadas com uso de químicos fez aumentar aí o número de espécies de ervas silvestres não cultivadas, tornando-o semelhante ao dos campos de agricultura biológica no caso das zonas marginais.

“As plantas silvestres são importantes para as aves, abelhas e outras espécies rurais”, explicou Luca Börger, que também participou no estudo, à BBC. “A agricultura biológica tem vantagens na sua manutenção, mas mesmo uma mistura de agricultura biológica e convencional numa área pode ajudar a manter esta biodiversidade [verificando-se que] mesmo uma percentagem de campos de agricultura biológica de apenas 25% pode fazer a diferença”.

Referência:
Henckel, L et al. 2015. Organic fields sustain weed metacommunity dynamics in farmland landscapes. Proc. R. Soc. B, 282: 20150002. DOI: 10.1098/rspb.2015.0002. Publicado em 20-05-15

domingo, 7 de junho de 2015

Aquecimento global afeta crescimento dos peixes


O aumento das temperaturas atrasou o ritmo de desenvolvimento das larvas dos peixes, o que os tornou mais vulneráveis aos predadores reduzindo a sua possibilidade de sobreviver.
O aumento da temperatura da água do mar está a prejudicar o desenvolvimento dos peixes na zona equatorial, ameaçando a sua sobrevivência e a das comunidades que vivem da pesca, alerta um estudo divulgado hoje na Austrália.
A investigação, realizada por cientistas da Universidade James Cook, analisou o impacto do aumento da temperatura da água em larvas de peixes recolhidas numa área de 2.000 quilómetros entre o sul da Grande Barreira de Coral e o norte da Papua Nova Guiné, próxima da linha equatorial.
"Descobrimos que onde as temperaturas aumentaram acima de um ponto perto do Equador, para 29 graus, o ritmo de desenvolvimento das larvas atrasou-se", disse o autor do estudo, Ian McLeod, num comunicado da universidade.
A maioria dos peixes marinhos atravessa uma etapa de desenvolvimento larval no mar aberto que os torna mais vulneráveis aos predadores e se passam muito tempo nesta situação têm menos possibilidades de sobreviver.
"O crescimento rápido durante a etapa larval dá-lhes vantagens de sobrevivência porque podem desenvolver-se mais cedo e sair com mais rapidez dos perigosos ambientes marítimos", explicou o cientista australiano.
O coautor do estudo, Philip Munday, alertou para a vulnerabilidade dos peixes equatoriais ao aquecimento global, enquanto outro investigador, Geoffrey Jones, advertiu que milhões de pessoas nas zonas equatoriais dependem da pesca para viver.
"Muita gente nas regiões equatoriais como a Papua Nova Guiné depende dos peixes, que são a sua principal fonte de proteínas, pelo que o estudo faz-nos refletir sobre o futuro da segurança alimentar nestes lugares", sublinhou Geoffrey Jones.

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Vídeo explicativo sobre Hidroponia

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares